Aula de Pilates: a melhor forma de montar uma

Como criar uma boa aula de Pilates?

Depois que o profissional faz o curso de Pilates, ele cria com o tempo um jeito particular de organizar o conteúdo didático da aula. Mesmo que alguns ainda prefiram trabalhar com metodologias prontas, aos poucos vem a necessidade de adaptar as aulas. A verdade é que um plano de aula que venha como “receita de bolo” muitas vezes não supre a necessidade do aluno, concorda?

O instrutor de Pilates tem grande liberdade e um grande repertório de exercícios para montar sua aula, porém, tem alguns temas básicos que são importantes serem seguidos. Vejamos:

Traçar os objetivos da aula

Depois de avaliar o aluno, o instrutor vai saber exatamente os objetivos que devem ser atingidos com as aulas de Pilates, é importante saber onde se quer chegar. Também vai conhecer o que não deve ser feito e o que utilizar para não trazer desconforto para o aluno, nem durante e nem após a prática.

PUBLICIDADE
MetaLife Pilates
MetaLife Pilates
MetaLife Pilates
MetaLife Pilates

Definir a prioridade dos objetivos

Temos muitas vezes objetivos primários, se pergunte o que ele precisa “ganhar” com as aulas para poder evoluir.  É necessário saber observar as prioridades no plano de aulas, ou seja, faça as perguntas, “o que quero a longo prazo?”, “o que quero a curto prazo?”, “o que é necessário para que esse aluno realize funções mais complexas?”.

Pesquisar entre os exercícios quais podem ser utilizados

A aula onde o aluno começa a ter contato com o método Pilates, onde começamos a ensinar a respiração e os exercícios fundamentais é, sem sombra de dúvida, primordial. Logo, esses exercícios devem estar inseridos no plano de aula, lembrando que nessa aula ele aprende e entende o que é crescer, alongar a coluna, encaixar os ombros, abrir o peito…

Devemos pensar que os exercícios devem constar movimentos sem ocorrência de sintomas durante atividades funcionais básicas ou complexas. Por exemplo, o aluno não consegue ficar sentado sobre os ísquios e com a coluna alongada, evite o exercício que ele tenha que manter essa posição, adapte à posição, use a caixa, flexione os joelhos, é importante utilizar as “ferramentas” que temos.

Criar estratégias

Lembre-se que o aluno pode chegar na aula e estar com dor, alguma causa que você precise modificar a aula de imediato para aquele dia em questão, crie aulas que não se tornem repetitivas. Mesmo que não mude as partes corporais trabalhadas, é importante que faça exercícios diferentes. Pode utilizar os vários equipamentos, solo, acessórios, sem perder o objetivo final.

Deve ser levado em consideração tudo que foi recolhido durante a avaliação. Um exemplo simples: o aluno relata durante a avaliação que tem “dor” no joelho, ou seja, “o que fazer para dar conforto ao aluno durante a realização dos exercícios? Exercícios de fortalecimento, alongamento e estabilidade serão necessários?”.

Tudo deve ser analisado e pensado. Ao longo das aulas o instrutor vai notar que novos objetivos são anexados ao plano de aulas, que deve estar constantemente sendo também avaliado.

Saber explicar as pequenas dúvidas

O aluno, mesmo recebendo a primeira aula de Pilates, ele tem dúvidas frequentes nas aulas, como “meu quadril está certo?”, “a respiração está correta?”, são várias. É importante sempre voltar nessas questões, repetir as respirações, explicar os conceitos.

Explorar a gama de exercícios existentes

Vamos pensar nos exercícios de Pilates: podemos realizar o “cat” no solo e nos vários equipamentos, logo torna a aula diferente em cada dia que o aluno retorna, usando o mesmo exercício, seguindo o mesmo objetivo, sem perder o direcionamento da aula. Ou seja, para variar a aula não precisa perder o objetivo final com o que se quer ganhar com aquele exercício.

De uma forma geral podemos pensar que se faz necessário atentar aos seguintes objetivos para planejar a aula:

– Tratar ou prevenir o comprometimento;

– Melhorar, restaurar ou aumentar a função física;

– Evitar ou reduzir fatores de risco;

– Otimizar o estado de saúde geral, preparo físico ou sensação de bem estar.

Com informações de http://pilatesbyfernandaluiza.blogspot.com.br/