Como planejar as aulas de Pilates

Aulas de Pilates específicas para cada cliente

O primeiro ponto a ser pensado na elaboração das sessões/aulas é o que o cliente quer?
Para que ele te procurou? Qual a necessidade dele?

Muitos profissionais do movimento têm dificuldade de planejar suas sessões/aulas de Pilates e, na maioria, acabam reproduzindo movimentos aleatórios, sem o contexto para o  cliente.

Se você já sabe da expectativa e desejo da tua persona/cliente, será mais fácil planejar o conteúdo das aulas de acordo com seus reais objetivos.

Outra dica é não fazer a mesma coisa que teus concorrentes! Seja diferenciado, saiba o que o TEU CLIENTE espera de você. Imitar o outro pode não dar espaço para a tua criatividade. Seja autêntico com senso e se coloque no lugar do teu cliente!

Mudanças posturais

Vem para cá, vai para lá, volta ao decúbito anterior…Já viu sessão/aula de Pilates em que o cliente “vira à milanesa”?

PUBLICIDADE

Pode ser até que teu cliente não perceba tantas mudanças posturais, mas vai perceber que existe algo de errado na sessão/aula.

Se você iniciar pelo decúbito dorsal, faça todos as possibilidades neste decúbito e depois experimente ir para o lateral ou ventral, depois em quadrupedia, ajoelhado e por fim em pé. Mas não precisa explorar todos os decúbitos na mesma sessão. Só não deixe a sessão/aula monótona! Em uma sessão de 15 a 20 min de mat pilates, costumo utilizar em torno de 3 a 5 exercícios em cada decúbito. Você também pode começar em pé e ir descendo até o decúbito dorsal.

Quantidade de exercícios por aula

Quantos exercícios em uma sessão/aula? Essa é outra dúvida frequente dos profissionais do movimento e essa resposta vai depender das repetições, e se é unilateral ou bilateral.

Em sessões de mat pilates de 1h, por exemplo, costumo preparar em torno de 20 exercícios. Porém, geralmente são feitas de 3 a 6 repetições em cada. Mas isso depende muito do perfil do profissional. Eu, particularmente, não gosto de monotonia, então prefiro ter um repertório progressivo, assunto abordado logo abaixo.

Durante as aulas, ensine!

Vejo muitos profissionais querendo que seu cliente faça exercícios mirabolantes e complexos, mas ele nem aprendeu o básico! Você já se deu conta de que, por exemplo, o Single Leg Stretch pode começar com um membro inferior apoiado no solo e o outro apenas para o cliente entender que a mão de dentro fica no joelho e a de fora no tornozelo? E que depois ele pode elevar o tronco, mas nem todos se sentirão confortáveis e aptos à flexão de tronco?

Então, por que não apoiar a cabeça no solo ou deixar sobre um bloco ou disco de equilíbrio? E só então elevar o outro membro inferior e conectar toda a sequencia do exercício que requer coordenação e força isométrica do core?

Outro ponto que ouço com muita frequência: mas meu cliente não sabe nem onde ficam as escápulas? Se não sabe é porque ninguém ensinou! Ensine do básico ao complexo!

E se o cliente interromper o tratamento e retomar? Por onde começar? Será que ele está mais fraco? Repense o corpo do teu cliente!

Abuse do comando verbal

Você adora demonstrar os exercícios e pede com frequência para que o cliente saia da posição e vai lá demostrar? Tempo é dinheiro e você ainda quebra a fluidez dos exercícios, por isso o planejamento e o comando verbal são fundamentais na logística das sessões/aulas.

Você pode instruí-lo a fazer 3 sequencias seguidas, e dizer: quando terminar permaneça no mesmo posicionamento. Senão, ele levanta e perde todo os check lists posturais que você fez, solta as alças etc.

Se o teu cliente for VISUAL, uma boa estratégia é demostrar do lado de fora do equipamento, em pé mesmo, falando e demonstrando e otimizando o tempo! Mas treine comando verbal, e claro, se exercite!

Faça Pilates!

Profissional do movimento de teoria, que não pratica o que aplica aos outros, não existe! Já viu cardiologista fumante? Você realmente confiaria neste tipo de profissional? Então se você acredita nos benefícios do movimento, seja o primeiro a se exercitar! Faça Pilates, sem desculpas que não tem tempo! Ou você cuida da sua saúde e explora as possibilidades do teu corpo para ser um profissional mais seguro e competente, ou teu cliente não vai te ver você como ideal a ser seguido. Nossos clientes nos observam a todo o momento! Vendemos saúde, bem-estar e mindfullness!

Converse com o cliente!

Pergunte aos teus clientes o que esperam da sessão/aula, se querem foco em uma determinada região, se estão bem? Se comeram antes da sessão – às vezes uma simples ponte pode trazer toda a comida de volta!

Ao terminar a aula pergunte o que eles acharam, se tem sugestões a dar e agradeça pela presença. Eu costumo terminar com uma reflexão apropriada para o momento que estamos vivendo.

Sem celular!

Umas das cenas mais tristes que acompanhei na TV aberta no domingo a noite, das poucas vezes que assisti televisão, foi uma reportagem que dizia: você consegue ficar X minutos sem ver o whatsapp? E advinha quem estava na filmagem? Uma instrutora de Pilates com seu estúdio ao fundo afirmando em rede nacional que não consegue se desligar do celular! Oi? Você gostaria de ir ao médico, psicólogo e a cada 5 min o profissional olhar o celular? Quanto descaso, né?

Há inclusive pesquisa que comprova que a atenção do profissional na aula, aumenta as respostas eferentes do cliente. Ou seja, se você se concentra, teu cliente também o fará!

Celular não né? No máximo para consultar sua sequencia de exercícios propostos (que pode e deve mudar) de acordo com o dia do teu cliente.

Como sou adepta às reflexões, termino com a linda frase do Joseph Pilates: “Mudança acontece através do movimento e movimento cura.” Que esta geração conheça o movimento que cura!

Érika Batista
Fisioterapeuta mestre em reabilitação
Criadora do curso de atualização em coluna
Proprietária do FisioStudio Pilates & Fisioterapia no Ibirapuera/SP.

PUBLICIDADE